Ginástica Abdominal Hipopressiva na recuperação pós parto

26/09/2016

Todo mundo que já passou por uma gestação sabe das mudanças que carregar uma vidinha dentro de si pode trazer para o corpo (e para a alma, para a vida, mas hoje vamos nos ater à parte física da coisa).

 

O corpo feminino é uma máquina potente para gestar e parir o bebê, mas isso não significa que esse seja um evento inócuo, algo que não deixaria marcas. Os músculos do abdomen e do assoalho pélvico são as estruturas que sofrem as maiores modificações, pois durante toda a gestação e parto precisam se esticar muito para acomodar e ajudar a expulsar o bebê - o que diminui seu tônus. 

 

 

Atividades físicas simples como caminhadas e corridas podem ser aliadas na recuperação pós parto, bem como atividades estruturadas como a Yoga, o Pilates ou aulas de Dança.  Mas temos visto o crescimento de uma prática muito interessante, que já chegou na Casa Moara, e consiste em exercícios respiratórios e posturais feitos sistematicamente com o objetivo de reduzir a pressão intra-abdominal: A Ginástica Hipopressiva.

 

Conversamos um pouco com Douglas Maestro, o professor da Casa Moara responsável pelo curso!

 

Quais são os Benefícios da Ginástica Hipopressiva no pós parto?

 

O que conhecemos por Ginástica Hipopressiva é uma parte de um método muito mais completo e abrangente, chamado de Low Pressure Fitness. O método LPF vem sendo praticado no mundo inteiro, está revolucionando o jeito como treinamos os músculos abdominais, o método melhora o tônus de base (ou tônus de repouso) que significa a firmeza do seu músculo quando você está relaxado.  No pós parto, os exercícios hipopressivos dentro da abordagem LPF tonificam o abdômen e o assoalho pélvico, reduzindo a circunferência abdominal, ajudando muito na recuperação pós parto.

 

Os benefícios vão além da parte estética, além de reduzir as medidas da cintura e do abdômen o método LPF também melhora a postura, em virtude da estabilização lombar, previne e trata todos os tipos de hérnias, ativa o Metabolismo Basal (um aumento em média de 15% na queima de gordura em repouso), ajuda a controlar qualquer problema com incontinência urinária, aumenta a força contrátil do períneo e melhora o funcionamento do intestino. 

 

Fonte da Imagem: clique aqui 

 

Como funcionam as aulas dessa ginástica na Casa Moara?

 

As aulas são em grupo e tem a duração de 30 a 60 minutos dependendo no nível de pratica dos alunos. A aula é iniciada com uma preparação seguida pela parte principal sendo finalizada com um relaxamento. Não se trata de um exercício aeróbico, como uma corrida ou um treino, como uma série de musculação. São exercícios de contração e controle da musculatura abdominal através de técnicas de respiração e apnéia. É realmente uma abordagem diferente, que trás resultados de 6 a 8 semanas dependendo do quanto o aluno pratica. As aulas supervisionadas pelo professor podem ser de 1 a 2 vezes na semana, o ideal seria o praticante treinar em casa, pelo menos no começo, a quantidade varia de  acordo com a necessidade de cada um.

 

E para quem já não está mais no pós parto imediato? 

 

É um exercício muito bom também! O LPF pode ser aliado a qualquer atividade física, por exemplo: um corredor pode usar no aquecimento, preparando seus músculos respiratórios para uma corrida mais eficiente. Algumas atividades provocam um aumento significativo na pressão intra-abdominal o que pode com o tempo causar disfunções (hérnias, contribuir para a incontinência urinaria,etc), como é o caso da musculação, crossfit, aulas de ginastica.Podemos usar o LPF como antidoto para essas consequências, realizando os exercícios antes e/ou depois do treino. Além de melhorar o desempenho em qualquer atividade ainda previne lesões.

 

Veja a agenda de aulas na Casa Moara

Inscreva-se

Please reload

Siga a Moara

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon

Bebês e crianças têm atividades musicais e sensoriais na Casa Moara

October 15, 2019

1/10
Please reload

Em Destaque

Leia por Tema

Posts Recentes

Please reload

Fotografias por:  Kátia Ribeiro,  Bia Takata, Lela Beltrão, Marcelo Min, Cristiane Pereira e Carla Raiter / Acervo Casa Moara