'Sempre quis cesárea, mas tive um bebê de 4,3 kg de parto normal'

22/03/2018

 

 

A mãe de Marina, a advogada Fernanda Frezarin Kazakevicius, 37 anos, tinha sempre em mente que seria mãe por meio de uma cesárea. "Sempre falei que seria cesárea e pronto. Minha mãe e minhas irmãs tiveram seus filhos de cesárea e eu pensava:  é mais prático, né? Mas a gente tem tudo planejado até engravidar Até ver que seu médico já está com tudo programado na agenda dele", conta Fernanda.

 

Por volta do sexto mês de gestação, quando viu o médico marcar a data com meses de antecedência que  percebeu como era importante buscar informação de verdade e ser bem assistida. Ao perceber que queria outra opção para o nascimento da filha, Fernanda conta que passou a se questionar se valia a pena mudar de médico e os planos. "Liguei pra algumas amigas pedindo indicação de profissionais que realmente atendessem parto normal e duas amigas que não se conhecem recomendaram vivamente a Dra. Andrea Campos, da Casa Moara. Elas falaram 'ela é demais!' e 'só indo lá pra você entender!' foram alguns dos comentários delas".

 

Então, a advogada decidiu marcar uma consulta sem saber o que a esperava e, confessa, sem entender nada de parto humanizado. "Fui tão somente querendo

'um parto que não estivesse à mercê da agenda do médico'. Confesso que fui meio a contragosto. Mas informação é poder! Informação é transformadora! A Dra. Andrea com seu jeito sereno, divertido e uma médica vocacionada como eu não via há tempos - transformou a nossa visão sobre o parto. Logo após a primeira consulta já decidimos que ficaríamos com ela", relata. 

 

A advogada fez fisioterapia perineal, exercícios com o EPI-NO e contatou uma doula. "Fizemos isso não porque a Dra. Andrea ou qualquer outra pessoa 'mandou'. Fizemos porque quisemos fazer, assim como foi tudo no nosso parto. Afinal, isso é que é parto humanizado: nós somos as protagonistas, nós fazemos as escolhas". 

 

Fernanda tomou anestesia quando estava com 4 cm de dilatação e confessa que teria ido para o hospital antes disso de tanta dor se não fosse a presença da obstetriz Priscila Raspantini para dar força e segurança dentro da casa até a ida à maternidade. 

 

Marina nasceu em 14 de outubro de 2017 às 2h02 com 4,3 quilos depois de 28 horas de trabalho de parto, contados desde a primeira contração. "28 horas! Logo eu, que sempre falei que queria cesárea e pronto. O parto foi o mais lindo do mundo. Tudo como eu queria, a minha filha nascendo no dia e na hora que ela quisesse vir ao mundo! Meu marido ao meu lado o tempo todo, me apoiando, me ajudando, tendo um papel muito importante no parto! Primeira vez que nos emocionamos! Nunca tínhamos nos emocionado antes: nem no casamento, nem na descoberta da gravidez, nem no primeiro ultrassom, ouvindo as batidas do coração da Marina", recorda.

 

Para a advogada, a obstetra da Casa Moara teve papel fundamental na sua transformação de mãe. "Tudo isso só foi possível graças à Dra. Andrea, que acreditou em mim até o fim! Depois de muitas horas de parto, achamos que eu teria que ir para a cesárea. Ela veio ao meu lado, falou comigo, conversamos e eu aceitei, afinal, já tinha feito tudo o que eu podia. Mas ela consegue tirar forças da gente mesmo quando temos certeza que nossas forças acabaram! Tanto que ela brincou que meu parto normal foi 'de virada'! A maneira como ela nos estimula, incentiva e a maneira como ela conduz tudo é inexplicável! Só vivendo pra entender, mesmo! Pequena gigante!", relata.

 

A advogada diz que após o nascimento da Marina, a Dra. Tiemi (pediatra neonatologista) teve um papel importantíssimo na amamentação. "Ficou horas comigo ensinando a pega correta. Não foi fácil, mas foi possível sem a ajuda de mais ninguém: apenas da Dra. Tiemi no hospital. A árdua tarefa de amamentar acontecendo comigo de maneira tão fluida. Mas não sem dor e algumas lágrimas nos primeiros dias. Como dói! Mas ninguém falou que seria fácil. E como eu não acredito em Papai Noel nem em celebridades que saem em capas de revistas amamentando seus recém-nascidos sorrindo, maquiadas e de babyliss no cabelo, estava tudo dentro das expectativas; tudo certo!", comenta.

 
Fernanda diz que não sabe se terá outros filhos, mas ela confessa que já sabe quais serão suas escolhas. "Com toda certeza, se seguirmos por esse caminho, queremos que a Dra. Andrea e sua equipe caminhem conosco, desde o início. 
Já recomendei Dra. Andrea e sua equipe para várias pessoas", diz. 
 

Please reload

Siga a Moara

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon

Bebês e crianças têm atividades musicais e sensoriais na Casa Moara

October 15, 2019

1/10
Please reload

Em Destaque

Leia por Tema

Posts Recentes

Please reload

Fotografias por:  Kátia Ribeiro,  Bia Takata, Lela Beltrão, Marcelo Min, Cristiane Pereira e Carla Raiter / Acervo Casa Moara